Logo
SOWILO Publicidade +55 22 2645-4737
WhatsApp: +55 22 98833-5000

logo

 

Prince Philip dies aged 99

© Reuters/Julian Stratenschulte/Direitos reservados

 

O duque de Edimburgo, príncipe Philip Mountbatten, marido da rainha Elizabeth II e que teve sua morte anunciada hoje (9), já tem o funeral planejado - tradição da coroa inglesa, que planeja cerimônias fúnebres durante o período de vida de seus membros.

O funeral de Philip deve ocorrer no sábado (17) - 8 dias após o início do luto oficial da coroa britânica. A cerimônia será na Capela de São Jorge, no Castelo de Windsor, onde Philip residia. O corpo de Philip ficará no mausoléu de Frogmore Gardens - área reservada para a aristocracia britânica. 

Após o enterro, espera-se que a Coroa institua luto oficial no país por 30 dias - período em que não haverá manifestações, compromissos ou tratativas reais públicas. 

O discurso da rainha Elizabeth sobre a morte de seu companheiro é aguardado.

Segundo um informe do Castelo de Windsor, a cerimônia não será aberta ao público em função da pandemia da covid-19. A Abadia de Westminster tocou 99 vezes o sino em homenagem ao membro real.

A morte do duque não será marcada por um feriado público - outra tradição inglesa -, mas bandeiras da União serão hasteadas a meio mastro em todo o país como demonstração de luto. Ainda não há informações sobre quais membros da família real participarão da cerimônia além da rainha Elizabeth II.

O premiê britânico Boris Johnson se manifestou em discurso oficial, e afirmou que “o príncipe Philip ganhou a afeição de gerações aqui no Reino Unido, na Comunidade de Nações e ao redor do mundo.”

My statement on the death of HRH The Prince Philip, Duke of Edinburgh. pic.twitter.com/cjlSsERXPV

— Boris Johnson (@BorisJohnson) April 9, 2021

Ainda em vida, o príncipe Philip havia manifestado desejo de um funeral “sem confusão.”

* Com informações da Reuters

FILE PHOTO: Britain's Prince Philip leaves the King Edward VII's Hospital in London

© REUTERS/Hannah Mckay/Direitos Reservados

 

O Ministério das Relações Exteriores emitiu nesta sexta-feira (9)  nota oficial sobre a morte do príncipe Philip, marido da rainha britânica Elizabeth II. 

"O governo e o povo brasileiros solidarizam-se com a rainha Elizabeth II, sua família e o povo do Reino Unido neste momento de luto dos britânicos pela perda do duque de Edimburgo. O presidente Jair Bolsonaro enviou mensagem de condolências a Sua Majestade", diz o comunicado.

Figura-chave na família real britânica por quase sete décadas, o duque de Edimburgo, título nobiliárquico do príncipe, morreu aos 99 anos, segundo informou o Palácio de Buckingham mais cedo. Ele esteve ao lado da mulher ao longo de todos os 69 anos do reinado dela, o mais longo da história do Reino Unido. 

O príncipe, que ia completar 100 anos em 10 de junho, tinha saído recentemente do hospital, onde foi submetido a uma intervenção cirúrgica por problemas cardíacos, e regressado ao Palácio de Windsor.

Príncipe britânico Philip, o duque de Edimburgo, em Malta

© Reuters/Toby Melville/Direitos Reservados

 

Salvas de tiros e de artilharia foram disparadas no Reino Unido neste sábado (10) para marcar a morte do príncipe Philip, com uma enxurrada de homenagens ao homem que foi o pilar de força da rainha Elizabeth durante seu longo reinado.

O público levou flores aos arredores das residências reais, em tributo ao príncipe de 99 anos que passou mais de sete décadas ao lado da esposa.

Em sua conta oficial do Twitter, a família real publicou uma homenagem da rainha ao seu marido, feita no aniversário de 50 anos de casamento, em 1997.

"Ele tem sido simplesmente a minha força e estabilidade todos esses anos, e eu, toda sua família, e este e muitos outros países, temos com ele uma dívida maior do que ele um dia cobrará, ou que jamais saberemos”, disse.

“He has, quite simply, been my strength and stay all these years, and I, and his whole family, and this and many other countries, owe him a debt greater than he would ever claim, or we shall ever know.”

-Her Majesty The Queen, 1997. pic.twitter.com/wbSldSavNA

— The Royal Family (@RoyalFamily) April 10, 2021

As Forças Armadas marcaram a morte de Philipp ao meio dia com uma salva de tiros. Unidades de artilharia em Londres, Edimburgo, Cardiff, Belfast e Gibraltar, e alguns navios de guerra, acionaram suas armas.

Apesar de um pedido da família real para que o público obedecesse regras de distanciamento social contra a pandemia e evitasse visitas às residências, pessoas levaram cartazes e flores ao Castelo de Windsor e ao Palácio de Buckingham.

Funeral

 Segundo o Palácio de Buckingham, o funeral do príncipe Philip será no dia 17. O funeral  será realizado na Capela de St. George, no Castelo de Windsor, e será precedido por um minuto de silêncio em todo o país. Não haverá acesso ao público ou uma procissão pública em virtude da pandemia.

O número de convidados será limitado a 30 pessoas. O Palácio de Buckingham enfatizou que o funeral será realizado de acordo com restrições contra a covid-19, o que significa que membros da família real, incluindo a rainha, deverão usar máscaras.

Um porta-voz do Palácio de Buckingham confirmou que Harry, que se mudou para Los Angeles após abdicar de seus deveres reais, planeja comparecer ao funeral, mas que sua esposa grávida Meghan foi aconselhada pelo seu médico a não viajar.

* Com informações da Reuters

 Guillermo Lasso

© REUTERS/Maria Fernanda Landin/Direitos reservados

 

O banqueiro Guillermo Lasso obteve uma vitória surpreendente sobre o economista socialista Andrés Arauz no segundo turno da eleição presidencial do Equador nesse domingo (11). A conquista foi bem recebida por investidores, tensos com as promessas de grandes gastos sociais de Arauz, tendo em vista as finanças estatais frágeis.

Lasso, que toma posse em 24 de maio, enfrentará a tarefa desafiadora de ressuscitar uma economia que passa apertos desde o surto brutal de covid-19 no ano passado e que disparou nos últimos meses à medida que os esforços de vacinação travaram.

"É um dia no qual todos os equatorianos decidiram seu futuro", disse Lasso. "Eles usaram seu voto para expressar a necessidade de mudança e o desejo de dias melhores", acrescentou.

Lasso conquistou 52,5% dos votos, e Arauz 47,5%, de acordo com o Conselho Eleitoral Nacional, que não vai declarar o vencedor formalmente antes de uma revisão de relatórios das urnas.

Arauz reconheceu a derrota rapidamente, em um discurso muito diferente do tom aguerrido que adotou em campanha.

"Este é um contratempo eleitoral, mas de maneira nenhuma uma derrota política ou moral, porque nosso projeto é para toda a vida", disse ele, que cumprimentou Lasso.

A terceira candidatura presidencial de Lasso parecia improvável em uma nação cansada de medidas de austeridade econômica penosas e inicialmente cativada com as promessas de Arauz, de pagamentos de US$ 1.000 para famílias pobres.

Lasso, de 65 anos, descartou sua imagem conservadora no segundo turno, prometendo avanços em questões como direitos animais e ambientais e esforços maiores para deter a discriminação contra a orientação sexual.

Nota do Itamaraty

O Governo brasileiro felicitou o povo equatoriano pela realização do segundo turno das eleições presidenciais e cumprimentou Guillermo Lasso (presidente) e Alfredo Borrero (vice-presidente) pelo resultado. A nota foi divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE) nesta segunda-feira.

"Ao salientar o clima de harmonia e tranquilidade em que transcorreu a consulta popular, o Governo brasileiro aproveita a oportunidade para saudar o papel dos observadores eleitorais independentes, em especial da Missão de Observação da OEA, que contribuíram para assegurar a legitimidade do sufrágio", diz o Itamaraty.

*Com informações de Alexandra Valencia e Brian Ellsworth - Repórteres da Reuters

*Matéria atualizada às 12h08 para inclusão de nota do Ministério das Relações Exteriores do Brasil

Presidente dos EUA, Joe Biden

© Reuters/Kevin Lamarque/Direitos Reservados

 

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu nesta segunda-feira (12) que os protestos contra a morte de um homem negro de 20 anos baleado pela polícia em Minnesota sejam pacíficos, e defendeu uma investigação completa do incidente.

Um vídeo mostrou Daunte Wright sendo baleado no domingo (11) na cidade de Brooklyn Center, em Minnesota, a poucos quilômetros de onde está sendo realizado o julgamento do ex-policial de Mineápolis, também em Minesota, Derek Chauvin, acusado de assassinar outro homem negro, George Floyd, no ano passado.

"É realmente uma coisa trágica o que aconteceu, mas acho que temos que esperar e ver o que a investigação mostrará", disse Biden a repórteres na Casa Branca. "Enquanto isso, quero deixar claro novamente: não há absolutamente nenhuma justificativa --nenhuma-- para saques, nenhuma justificativa para a violência. Protestos pacíficos, compreensíveis."

O chefe da polícia de Brooklyn Center, Tim Gannon, afirmou na segunda-feira que o incidente pareceu ter sido uma "descarga acidental" de uma policial que sacou sua arma em vez do taser (dispositivo não-letal) durante uma discussão após uma blitz de trânsito.

Biden disse que uma investigação será necessária para esclarecer os fatos. Ele acrescentou a repórteres que não tinha falado com a família de Wright, mas estendeu suas orações a eles e disse que entendia a raiva, a dor e o trauma na comunidade negra por causa dos incidentes repetidos de assassinatos por policiais.

Recursos federais estão sendo disponibilizados para ajudar a manter a paz e a calma, declarou Biden.

O incidente ocorreu no momento em que o governo Biden desistiu de uma promessa de campanha de criar rapidamente uma comissão de supervisão da polícia dos EUA, depois que uma autoridade sênior disse que o governo concluiu que o melhor seria uma lei para punir os policiais que usam força excessiva.

Manifestações

Os tumultos em Brooklyn Center ocorreram horas antes do reinício do julgamento do ex-policial Derek Chauvin. As manifestações foram reprimidas pela polícia local, que disparou gás lacrimogêneo e balas de borracha nos manifestantes que protestavam contra a morte de Wright, enquanto estes lançaram pedras, sacos de lixo e garrafas de água contra a polícia.

O prefeito ordenou um toque de recolher até as 6h e o superintendente de escolas local disse que o distrito recorreria ao ensino virtual nesta segunda-feira "por excesso de zelo".

O governador do Minnesota, Tim Walz, disse em um comunicado que está monitorando os tumultos "enquanto nosso Estado lamenta mais uma vida de um homem negro tirada pelas forças da lei".

A mãe da vítima, Katie Wright, disse a repórteres que o filho lhe telefonou na tarde de domingo para dizer que a polícia o havia parado por ter desodorizadores pendurados no espelho retrovisor, o que é ilegal no estado de Minnesota. Ela disse que pôde ouvir um policial falar ao filho para que saísse do carro.

"Ouvi uma briga, e ouvi policiais dizendo 'Daunte, não corra'", contou ela, em prantos. A ligação terminou, e quando ela ligou de volta, a namorada do filho atendeu e disse que ele estava morto no banco do motorista.

Em um comunicado, a polícia disse que os policiais pararam um homem por uma infração de trânsito pouco antes das 14h e descobriram que ele tinha um mandado de prisão pendente.

Quando a polícia tentou prendê-lo, ele voltou para o carro. Um policial atirou no homem, que não foi identificado no comunicado. O homem dirigiu vários quarteirões antes de atingir outro veículo e morrer no local.

* Com informações da Reuters

Imagens produzidas pela Fiocruz mostram o novo coronavírus Sars-COV-2 em ação.

© LMMV/IOC/Fiocruz

 

Estudos científicos publicados em duas áreas da revista médica Lancet indicam que as pessoas infectadas com a variante do SARS-CoV-2 identificada no Reino Unido não contraem formas mais graves da covid-19.

Os estudos foram feitos por observação, analisando a situação de pessoas infectadas com a variante designada como B.1.1.7, em um hospital de Londres, no Reino Unido, e por meio do que cerca de 37 mil pessoas infectadas declararam num trabalho britânico de acompanhamento de sintomas.

Em artigo publicado no boletim The Lancet Infectious Diseases, foram analisados 341 doentes admitidos no hospital do University College e no hospital da Universidade de North Middlessex em novembro e dezembro passado. A conclusão foi que os infectados com a variante não ficaram doentes com maior gravidade, mas a carga viral foi superior.

“Não se detectou prova de uma associação entre a variante e doença mais grave, com 36% dos doentes com a B.1.1.7. a ficarem gravemente doentes e a morrerem, quando comparado com os 38% dos que tinham uma variante diferente”, concluíram os pesquisadores, que reconhecem a necessidade de investigação mais aprofundada.

Em outro estudo, divulgado na publicação The Lancet Public Health, analisaram-se dados submetidos à aplicação Covid Symptom Study entre setembro e dezembro de 2020, que foram cruzados com as análises genéticas regionais conduzidas pelas autoridades de saúde britânicas destinadas a detectar a presença de variantes.

“A análise revelou que não há associações estatisticamente significativas entre a proporção da B.1.1.7. entre regiões e os tipos de sintomas que as pessoas tiveram”, concluíram os pesquisadores.

Além disso, a proporção de pessoas que tiveram casos prolongados de covid-19, com sintomas persistentes, não foi alterada pela presença da variante.

No entanto, os autores concluíram que o índice de transmissibilidade (Rt) é 1,35 vez superior na variante B.1.1.7.

A pesquisadora Britta Jewel, do Imperial College, comentou que o estudo contribui para o consenso de que a B.1.1.7. aumenta a transmissibilidade, o que levou, em grande parte, ao aumento exponencial de casos no Reino Unido e em outros países europeus.

*Com informações da RTP - Rádio e Televisão de Portugal

Frascos rotulados como de vacina contra Covid-19 em frente ao logo da Johnson & Johnson em foto de ilustração

© REUTERS/Dado Ruvic/Direitos Reservados

 

Agências federais de saúde dos Estados Unidos (EUA) recomendaram nesta terça-feira (13) uma pausa na aplicação da vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson, depois de seis pessoas que a receberam desenvolverem um distúrbio raro envolvendo coágulos sanguíneos.

A medida é adotada menos de uma semana depois de reguladores europeus afirmarem que encontraram uma possível relação entre a vacina contra a covid-19 da AstraZeneca e um problema raro de coágulos sanguíneos, que levou a um pequeno número de mortes.

A vacina de dose única da Johnson & Johnson - a maioria das vacinas contra a covid-19 é aplicada em duas doses-- e o imunizante de baixo custo da AstraZeneca são vistos como ferramentas vitais contra uma pandemia que já causou mais de 3 milhões de mortes.

O Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) fará uma reunião na quarta-feira (14) para analisar os casos relacionados à vacina da J&J e a agência reguladora Foods and Drugs Administration (FDA) revisará a análise, disseram os dois órgãos em comunicado conjunto.

As seis pessoas que receberam a vacina e desenvolveram o distúrbio raro são mulheres na faixa de 18 a 48 anos, e os sintomas surgiram entre seis e 13 dias após a aplicação.

Nos casos, um tipo de coágulo sanguíneo chamado trombose de seios venosos cerebrais foi detectado, em combinação com baixo nível de plaquetas sanguíneas.

O CDC e a FDA disseram que os eventos adversos parecem ser extremamente raros.

A J&J disse estar trabalhando próxima dos reguladores e afirmou que nenhuma relação causal clara foi estabelecida entre os eventos e a vacina, feita por sua unidade farmacêutica Janssen.

Uma mulher morreu e uma segunda no estado do Nebraska, foi hospitalizada em estado grave, disse o jornal The New York Times citando autoridades.

Até o dia 12 de abril, mais de 6,8 milhões de doses da vacina da J&J foram aplicadas nos Estados Unidos.

Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a autorização temporária para uso em caráter emergencial no Brasil da vacina da Janssen, um braço da Johnson & Johnson. O governo federal já adquiriu 38 milhões de doses do imunizante.

Seguindo a recomendação da área técnica da Anvisa, a maioria dos diretores votou pela permissão de uso, com base em uma avaliação de que os benefícios da vacina superam os riscos trazidos por ela.

Conforme a área técnica, o imunizante pode ser aplicado em pessoas com mais de 18 anos, com ou sem comorbidades. A eficácia geral demonstrada pela farmacêutica no processo de submissão foi de 66,9%. Quando considerados casos graves, a eficácia comprovada foi de 76,7% após 14 dias e 85,4% depois de 28 dias.

Diferentemente das vacinas de outros fabricantes, a da Janssen tem eficácia com apenas uma dose.

*Com informações de Manas Mishra - repórter da Reuters e de Jonas Valente - repórter da Agência Brasil

Vista de Cabul, capital do Afeganistão

© Foto Unama: Fardin Waezi

 

O governo norte-americano anunciou hoje (14) que vai retirar todos os soldados norte-americanos do Afeganistão até 11 de setembro.

Os Estados Unidos tinham se comprometido com os talibãs a retirar a totalidade das tropas do Afeganistão antes de 1º de maio, mas explicou que a promessa será cumprida até 11 de setembro, prometendo mais esclarecimentos sobre o novo cronograma, nesta quarta-feira, na Casa Branca.

A data do 20º aniversário do ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 será o marco para o cumprimento da promessa de retirada total das forças militares norte-americanas do Afeganistão.

"Iniciaremos uma retirada ordenada das forças restantes e planejamos que todas as tropas saiam do país antes do 20.º aniversário de 11 de setembro", informou a Casa Branca em declaração aos jornalistas, garantindo que essa partida seria "coordenada" e simultânea com o das outras forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

"Dissemos aos talibãs, sem qualquer ambiguidade, que responderemos energicamente a qualquer ataque a soldados americanos, enquanto procedemos a retirada ordenada e segura", acrescentou.

Os Estados Unidos passaram a intervir no Afeganistão após os atos terroristas em Nova Iorque e Washington, retirando os talibãs do poder em Cabul, acusando-os de terem acolhido o grupo jihadista Al-Qaeda, responsável pelos ataques, bem como ao seu líder, Osama bin Laden.

Para encerrar a guerra mais longa da história norte-americana, o governo do ex-presidente Donald Trump chegou a um acordo com os talibãs, em fevereiro de 2019, que prevê a retirada de todas as forças norte-americanas e estrangeiras do Afeganistão antes de 1º de maio, com a condição de os rebeldes, no futuro, impedirem qualquer grupo terrorista de operar nos territórios afegãos.

O Pentágono manifestou recentemente dúvidas sobre a capacidade dos talibãs de honrarem esse compromisso. Os talibãs têm tido dificuldade em chegar a um acordo com as forças governamentais de Cabul, em negociações que começaram em setembro, mas estão paralisadas.

* Com informações da RTP - Rádio e Televisão de Portugal

People take part in a rally outside the Brooklyn Center Police Department, days after Daunte Wright was shot and killed by a police officer, in Brooklyn Center, Minnesota

© REUTERS / Leah Millis / direitos reservados

 

A agente policial que matou, com um disparo, o jovem Daunte Wright, de 20 anos, durante uma operação de trânsito, e o chefe da polícia pediram demissão nessa terça-feira (13). No entanto, as demissões não silenciaram os protestos, que foram realizados pela terceira noite consecutiva. Alguns manifestantes lançaram garrafas e outros projéteis contra a sede da polícia, que respondeu com disparos de gás lacrimogêneo e balas de borracha. Mais de 60 pessoas foram detidas durante a manifestação.

Os ânimos já estavam exaltados na cidade norte-americana de Minneapolis, no estado de Minnesota, antes da morte de Daunt Wright no último domingo (11), num subúrbio. É lá que está ocorrendo o julgamento do policial acusado de matar o afro-americano George Floyd em maio do ano passado, caso que levou a uma enorme onda de protestos do movimento Black Lives Matter durante vários meses.

Também por isso, o subúrbio Brooklyn Center foi colocado sob toque de recolher após a morte de Daunte Wright. Mesmo após os pedidos de demissão apresentados por Kim Potter, a agente que disparou no jovem, e o chefe da polícia, Tim Gannon, as manifestações continuam.

O anúncio das demissões foi feito pelo prefeito de Brooklyn Center, Mike Elliott, que disse esperar que as saídas “tragam alguma calma à comunidade”. Pelo menos no imediato, a notícia das demissões, o recolher obrigatório e o frio e chuva que se fizeram sentir não levaram a acalmar dos ânimos nos protestos de ontem.

“Ela devia ter sido despedida. O seu pedido de demissão não devia ter acontecido antes disso”, disse Amber Young, uma das manifestantes que integrou os protestos. Sobre o chefe da polícia que também apresentou a demissão, a ativista mostrou-se satisfeita: “Estou feliz que ele tenha ido embora. Não mostrava preocupação com a comunidade”, afirmou.

De acordo com o jornal local Star Tribune, cerca de 800 mil pessoas protestaram próximas ao departamento de polícia de Brooklyn Center na noite dessa terça-feira. A  manifestação começou de forma pacífica, mas a situação complicou-se horas depois. De acordo com a polícia local foram feitas mais de 60 detenções por “motins e outros comportamentos criminosos”.

Os manifestantes consideram que as demissões anunciadas são um passo importante, mas exigem uma revisão completa de todo o departamento da polícia. Eles prometem não desistir até que isso ocorra. Isto porque, argumentam, o carro de Daunte Wright só foi parado pela polícia por questões raciais.

É o que defende também a família do jovem de 20 anos que morreu no último domingo. A polícia diz que o carro foi parado apenas porque a licença da matrícula tinha expirado.

Daunte Wright foi abordado durante a operação de trânsito e acabou morrendo quando a agente Tim Gannon supostamente confundiu a pistola com um taser, arma que provoca forte descarga elétrica paralisante, mas não é letal.

* Com informações da RTP - Rádio e Televisão de Portugal

Dr. David Fowler depõe em julgamento do ex-policial Derek Chauvin.

© Reuters/Direitos Reservados

 

Um especialista médico que depôs para a defesa do ex-policial Derek Chauvin, da cidade norte-americana de Mineápolis, disse ao júri nesta quarta-feira (14) que acredita que a morte de George Floyd durante uma prisão foi resultado de uma doença cardíaca que fez seu coração bater de forma errática, o que se conhece como arritmia cardíaca súbita.

O doutor David Fowler, que foi o principal legista de Maryland até se aposentar em 2019, disse que a fumaça do escapamento do carro de polícia perto do qual Chauvin pressionou Floyd no chão também pode ter influenciado a morte de Floyd em maio de 2020.

Fowler pareceu contestar ao menos parte das conclusões do doutor Andrew Baker, o principal legista do condado de Hennepin, que declarou a morte de Floyd um homicídio causado por Chauvin e outros policiais que contiveram Floyd de uma maneira que privou seu corpo de oxigênio.

Fowler disse crer que a forma da morte poderia ser considerada um homicídio sob certa ótica e um acidente sob outras, e que por isso a teria declarado "imprecisa."

Chauvin, que é branco, declarou-se inocente das acusações de assassinato e homicídio culposo. Ele foi visto ajoelhado sobre o pescoço de Floyd - um homem negro que estava algemado - durante nove minutos em um vídeo gravado por um observador, o que causou protestos globais contra a brutalidade policial.

Fowler disse que a arritmia cardíaca de Floyd foi resultado de uma "doença cardíaca aterosclerótica e hipertensa", termos médicos que descrevem o estreitamento dos vasos sanguíneos e problemas cardíacos causados pela pressão alta.

 
 
Aeroporto Internacional Ministro Pistarini em Buenos Aires
©
Reuters/Matias Baglietto/Direitos Reservados

Argentina reduz frequência de voos estrangeiros no país

ainda sem imagem900 
 
País europeu está com voos suspensos devido à pandemia

Publicado em 19/02/2021 - 22:37 Por Agência Brasil - Brasília

Nossos patrocinadores

Seção especial para os patrocinadores do nosso site. Publique seu anúncio aqui também.