Banner cabeçalho

Ponte Feliciano Sodré - Cabo Frio

Ponte Miguel de Carvalho e Ponte Feliciano Sodré.

No século XVIII, a área rural da capitania de Cabo Frio alcança grandes safras agrícolas. Neste contexto, surge o Porto do Carro, situado na margem do canal, atual divisa com o município de São Pedro da Aldeia. Mercadorias e passageiros chegam em carros de boi e são embarcados no local com destino á cidade. No século seguinte, D. Pedro II ainda utiliza este acesso, quando visita Cabo Frio em 1847. Surge também, no século XIX, a barca de passagem que atravessava a população na garganta do Itajuru.

Surgimento da Ponte Miguel de Carvalho

Em 1836, Major Bellegard já havia projetado os pegões da ponte na garganta do Itajuru entre o Morro da Guia e do Telégrafo. Na ultima década de 1800 graças ao empenho do Presidente da Câmara Municipal, Jonas Garcia da Rosa Terra e também do farmacêutico Porto Rocha, em 7 de julho de 1898, a ponte de ferro, Miguel de Carvalho é finalmente construída sobre o Canal do Itajuru por operários espanhóis. Esta construção foi primordial para o desenvolvimento da indústria salineira e agrícola de Cabo Frio.

Construção da Ponte Feliciano Sodré

Em 1920 a ponte passa por reformas e por descuido de um dos operários ela desaba no Canal do Itajuru, deixando o povo cabofriense isolado por 6 anos e a barca de passagem do portinho retorna as suas antigas funções levando o povo e suas mercadorias de um lado para o outro. Após muitas brigas e disputas políticas entre o governo municipal e estadual em 14 de jullho de 1926 chega a comitiva estadual em Cabo Frio e finalmente inaugura a Ponte de cimento armado que leva o nome do Presidente do Estado, Feliciano Sodré.

Nos anos 60 e 70, o grande desenvolvimento do turismo transformou a paisagem urbana de Cabo Frio, aumentando o fluxo de veículos entre as duas margens do canal e assim provocando colossais engarrafamentos de trânsito nas

imediações da ponte. Em 1982, em final de mandato o prefeito José Bonifácio Ferreira Novellino duplica aponte.
“Causo” colhido na comunidade.

Havia em Cabo Frio dois sujeitos conhecidos por Ciro e Novaes que tinham por hábito dormirem na porta do cemitério, especialmente quando estavam bêbados. Certo dia Ciro gritou lá do portão do cemitério:
- Engenheiro burro que fez esta ponte, que só passa um carro!

Por muita coincidência neste exato momento o engenheiro responsável pela obra esta atravessando a ponte e ao ouvir a queixa do bêbado, ficou tão aborrecido que nunca mais apareceu em Cabo Frio. Mas cabe ressaltar que no projeto original da ponte Feliciano Sodré constava duas pistas, porém o órgão do estado responsável pela obra quis levar vantagens financeiras no projeto, e para não participar deste ato desonesto o engenheiro optou por apenas uma pista.

Texto: Una Cultura (Boletim Informativo) Pesquisa Meri Damaceno

Cron Job Iniciado